Qual sua decisão: emoção ou razão?

Por Adriana Fóz

 

Você está frente a um desafio e precisa tomar uma decisão: recorrer ao que o pensamento racionaliza ou sentir o que diz o coração? Vou pela razão ou pelo coração? Sigo meu sentimento ou meu pensamento?

Na antiguidade, Platão filosofava sobre a importância de suprimir o sentimento para poder racionalizar. Depois, passando por Descartes que separou a razão da emoção, alegando que seriam processos excludentes,
o homem continua buscando uma relação entre tais conceitos. Fato é que tanto a emoção quanto a razão fazem parte indissociável do ser humano, são interconectadas. A qualidade desta conexão pode predizer muito
sobre sua saúde. Como eu lido com minhas emoções, como dirijo minha vida, quais minhas prioridades e quais são minhas rotinas é o escript ou a receita.

Quando passei por um  grave AVC, o qual me deixou bastante desorganizada emocionalmente e fisicamente comprometida, percebi de modo empírico que para me reabilitar deveria dar muita importância às
minhas emoções. Não digo para dar mais ou menos importância aos processos emocionais em detrimento à racionalidade, mas sim creditar importância às emoções. Estas últimas somam ao processo cognitivo, mais
voltado ao racional e lógico.

Escrevi no livro A cura do cérebro, que para me superar foi preciso reconhecer, valorizar e estimular tanto as emoções agradáveis (conhecidas também por emoções positivas) quanto a lógica, o pensamento. Não são processos excludentes, mas os conceitos e conteúdos de razão e emoção podem ser somados, integrados na
individualidade singular de cada ser humano.

Desta forma senti na pele o que passei a estudar na neurociência. Os estudos mais recentes e robustos a cerca da relação entre tomada de decisões e emoções é trabalho do time do neurocientista Antonio Damásio. Por isso, que- quando escrevi a biografia de um cérebro que se desorganiza após um derrame cerebral e volta a se reorganizar e
funcionar de modo mais efetivo, conto o que aprendi sobre o poder das emoções.

Para toda decisão temos pelo menos 2 escolhas.

Toda decisão não é a ideal escolha, mas a possível. Toda decisão é dependente do contexto e vulnerável a ação de terceiros.Toda decisão, seja de você continuar a ler este artigo ou não, vai incluir fatores situacionais, emocionais e racionais, sempre na medida do seu treino, da sua história e experiências. Podemos treinar a maneira como percebemos, sentimos, aprendemos e decidimos? Sim, podemos.

O ser humano é tão único quanto potente.

Cada um de nós apresenta uma diversidade tão complementar quanto particular. Assim como uma impressão digital, nosso cérebro vai se desenvolvendo e passar por processos de amadurecimento, os quais são sugeridos pela genética, por fatores hereditários e ambientais.

Nossas decisões são norteadas por emoções e pensamentos.

E quais são as emoções? Como espécie humana, apresentamos a priori 5 emoções primárias e outras secundárias. As emoções primárias são aquelas reações emocionais que compartilhamos com toda a espécie humana. Sim, emoções que todos, seja quem nasce no Japão, na selva amazônica ou no Brasil, vivenciamos e sentimos.

Nem pense em dizer que você é muito evoluído e não sente raiva, pois se você é humano, você sente. A questão é o que você faz com o que você sente. Raiva é uma emoção primária extremamente importante para a sobrevivência há centenas e milhares de anos era mais importante à sobrevivência física e recentemente também à sobrevivência mental. Perceber, identificar e aprender a lidar com a raiva, com esta emoção que nos move, é de fundamental relevância para entendermos como as emoções são coadjuvantes à racionalidade.

Nem mais importante nem menos. Ampliar seu repertório de respostas às situações é uma estratégia competente.

Se não lidamos bem com a raiva, se ficamos presos à ela vivenciando por muito tempo o estado emocional da frustração, por exemplo, além de perdermos capacidade para solucionar problemas e experienciar as
situações com mais qualidade podemos também adoecer fisicamente.

Aliás, esta dupla frustração-raiva é quase uma bomba atômica. Desativar esta bomba, ampliando sua consciência sobre suas atitudes, pensamentos e escolhas é o verdadeiro mapa da mina. Mina de emoções agradáveis, de
sentimentos promotores e ações proativas.

Decidir conscientemente ou inconscientemente por não mudar sua forma de ver as situações, de focar mais no difícil e desagradável, pode ser uma atitude pouco eficaz e saudável. Aprender a regular suas emoções é de fato uma atitude assertiva.

Se você tinha ficado na dúvida se ia querer ler ou ainda se seguiria lendo este artigo o fez escolher chegar até aqui, foi sua capacidade de tomada de decisão e incluiu aspectos emocionais e racionais. Vou convidar-lhe para as próximas leituras sobre como o cérebro e as emoções podem ser melhor trabalhados, ativados e cuidados.

Aprender a integrar e usar o melhor dos mecanismos de tomadas de decisão faz de cada um de nós, mais capaz, protagonista e inteiro.

Gostou deste artigo? tem alguma dúvida? Entre em contato conosco, teremos prazer em conversar com você!