Malabarismo e Aprendizagem

malabarismo e aprendizagem

O treino de certas atividades motoras pode, de forma lúdica, contribuir para aprimorar habilidades cognitivas dos alunos do Ensino Médio, o que pode ajudar na fase pré-vestibular.

 

Por Patrícia Kono, colaboradora da NeuroConecte

 

Muitos adolescentes ficam apreensivos ao longo do ensino médio em razão da aproximação do ENEM e o vestibular. Ansiedade, angústias e muitas horas de estudo costumam dar a tônica para os estudantes nesta etapa.

Buscar atividades que divirtam, envolvam o corpo e ainda estimulem funções cognitivas envolvidas na aprendizagem podem ser interessantes para auxiliar os alunos do Ensino Médio.

A atenção, foco, persistência são características importantes diante de um desafio e a prática do malabarismo pode fazer com que tudo isso seja desenvolvido num processo que adicionalmente promove o bem-estar do jovem.

Pode-se afirmar que a prática do malabarismo irá favorecer os estudos, uma vez que de forma lúdica propicia o aprimoramento de habilidades cognitivas, principalmente as funções executivas, podendo beneficiar os alunos na aprendizagem global e desempenho escolar, ajudando a desenvolverem um melhor foco de atenção nos estudos e também a autoconfiança e disciplina.

De acordo com pesquisas realizadas entre 2004 e 2009, a atividade de jogar malabares com 3 bolas, aprendendo e dominando somente o básico por 60 segundos, faz com que a massa cinzenta do cérebro aumente, ou seja, aumenta a coordenação olho-mão, reflexos e visão espacial.

Também foi analisado o aumento de 5% de substância branca, resultado da aprendizagem de uma nova habilidade.

É uma atividade divertida, que não necessariamente exige um treinador e pode ser feito em qualquer lugar. E pode ter como efeito colateral relaxar e diminuir o estresse em fases que exigem muito tempo de estudo e dedicação.

 

Referências:

Draganski B, Gaser C, Busch V, Schuierer G, Bogdahn U, et al. (2004) Changes in grey matter induced by training. Neuroplasticity: Nature 427(6972): 311–312.

Driemeyer J, Boyke J, Gaser C, Bu¨ chel C, May A (2008) Changes in Gray Matter Induced by Learning—Revisited. PLoS ONE 3(7): e2669. doi:10.1371/journal.pone.0002669

Nakahara, T., Nakahara, K., Uehara, M. et al. (2007) Effect of juggling therapy on anxiety disorders in female patients. BioPsychoSocial Med, 1: 10. doi:10.1186/1751-0759-1-10

Scholz J, Klein M. C., Behrens T. E. J., Johansen-Berg H. (2009) Training induces changes in white-matter architecture. Nature Neuroscience 12, 1370 – 1371